Quanto custa viver no Porto em 2021?

O custo de vida é uma preocupação muito comum de quem pensa em morar aqui nessa cidade linda ou simplesmente tem curiosidade e quer comparar com outras cidades pelo mundo. Então, neste artigo, vou comentar as despesas mensais médias de um estudante ou trabalhador, que alugue um quarto em apartamento compartilhado com outras pessoas, e também de um casal, que alugue um apartamento de um quarto (T1), ambos na região central do Porto. Importante lembrar que os valores dependem do estilo de vida e prioridades de cada pessoa, por isso os custos mencionados neste artigo são baseados no meu estilo de vida e apenas para dar uma referência para vocês.

Um site que eu recomendo muito para comparar o custo de vida em diferentes cidades é o numbeo.com. Ele compara diversos itens, baseado nas informações compartilhadas pelos usuários e é possível também ver qual é a renda necessária para manter o mesmo estilo de vida em diferentes cidades.

Neste artigo, falei os valores em euros e, no final, fiz a conversão para reais, para que vocês tenham uma noção de quanto precisariam mensalmente, para manter-se por algum tempo por aqui até conseguirem emprego, caso estejam pensando em imigrar para cá. Usei a taxa de conversão do Banco Central do Brasil, de 04/06/21, em que € 1 = R$ 6,1665.

Moradia é, sem dúvidas, a despesa mais alta nesta conta. Eu pesquisei por apartamentos de +-50m² e também quartos para 1 pessoa em um bairro central no Porto, no site imovirtual, para ter uma noção atualizada sobre os preços. Encontrei quartos privados equipados e mobiliados para 1 pessoa, em um apartamento compartilhado e com contas inclusas, por € 260/mês. No caso de um casal que opte por viver em um T1 (apartamento de 1 quarto), no centro do Porto, o custo seria de +- € 500/mês, sem contas. Claro que existem opções por mais ou por menos, mas eu considerei este valores como sendo a média das opções que eu encontrei. Aqui é importante também prestar atenção se a moradia é mobilada e equipada com os eletrodomésticos.

Já as contas, eu considerei os meus gastos médios mensais. Há também algumas opções de moradia que já incluem contas, até um certo valor, então vale sempre

O passe de transporte público no Porto custa € 40/mês, e com ele é possível andar com os autocarros e metro por toda a cidade.

O plano de saúde depende das prioridades e idade de cada pessoa, por isso não considerei nesta análise do custo de vida. É muito comum o uso do Sistema Nacional de Saúde (cada consulta custava €4,50, e em 2021 são todas gratuitas, inclusive alguns exames) e também as empresas costumam oferecer o seguro de saúde como um benefício.

O valor das contas de telemóvel (celular) varia muito de acordo com o tarifário de uma operadora ou outra. As principais empresas são NOS, MEO, Vodafone. Existem também algumas operadoras focadas em jovens com menos de 25 anos e estudantes, como a WTF e a YORN, que oferecem tarifas mais acessíveis, em torno de € 12 por mês. No caso do casal, considerei os tarifários normais, que custam em torno de € 24 mensais por pessoa, dependendo das condições do plano, quantidade de minutos e dados móveis.

Sobre a conta de internet fixa, aqui é muito comum fazerem combos, com a TV a cabo e o telefone fixo. Assim como no tarifário do telemóvel, as principais empresas também são NOS, MEO, Vodafone. O valor mensal depende do pacote escolhido, mas o mais básico da Vodafone custa € 30,90, que pode ser acrescido com contratação da box para gravação ou dos canais adicionais escolhidos.

Mas, quem não quer saber de TV a cabo e, como eu, é viciado no Netflix, aqui o pacote mais básico custa € 7,99, o intermediário custa € 10,99 e o premium € 13,99.

O valor das academias (ginásios) também varia de acordo com a estrutura e serviços que cada uma oferece. Os valores podem ser mensais, quinzenais ou semanais, e podem variar de acordo com o horário de acesso à academia (variando caso seja exclusivamente em horários de menor movimento, durante o dia, ou em horário livre), ou também se puder usar qualquer ginásio da rede e também ir às aulas em grupo, ou então ter a possibilidade de tomar banho na academia. Enfim, são mil e uma questões que podem interferir no preço. Além disso, algumas cobram uma joia, que é a taxa de inscrição, e um seguro, de aproximadamente € 25. Então, eu calculei de acordo com o plano da Fitness Up, e as mensalidades podem ficar em torno de € 27 por um pacote com horários livres e acesso às aulas.

Gastos em supermercado: essa é outra conta que varia muuuuito de acordo com as preferências de cada pessoa. Eu, por exemplo, consumo muitos produtos de marca branca, que é a marca do supermercado. Esses produtos costumam ter preços bem mais interessantes e, na minha opinião, no geral a qualidade é boa e não justifica gastar bem mais por uma marca conhecida. Daqui a algumas semanas eu vou postar aqui um vídeo mostrando as minhas compras da semana, para que vocês tenham uma noção dos valores de cada item. Fiquem de olho! Eu considerei os meus gastos médios de € 175, entre ir ao supermercado e comer fora pontualmente.

Nem vou entrar no assunto lazer, porque isso varia muuuito de acordo com o teu estilo de vida! 🙂

Em resumo, cheguei ao custo de vida mensal de € 522,15 para um estudante ou trabalhador que divida apartamento com outras pessoas, e € 1145,54 para um casal, que alugue um T1. Vejam mais detalhes aqui:

Comenta aqui se achaste caro ou barato e compartilha o vídeo com aqueles amigos que também querem saber mais sobre a vida no Porto!🤍

Trabalhar em Portugal: perguntas e respostas!

Tu também pensas em imigrar para Portugal ou outro país, em busca de maior qualidade de vida, oportunidades e segurança? Como imigrante, eu sei bem que emprego é sempre a maior preocupação ao pensar em morar fora, por isso hoje eu e as outras participantes do projeto #ReconstruindoNoMundo viemos responder a 6 perguntas que recebemos lá no Instagram, sobre como é trabalhar em Portugal e em vários outros países. Não deixem de acompanhar o projeto, porque quinzenalmente, aos domingos às 13h de Brasília, nós trazemos novos conteúdos sobre trabalho, estudos e vida no exterior! Neste artigo, além de responder a estas 6 perguntas, selecionei também outras dúvidas que recebi! Como diriam os portugueses, vamos a isto?

  1. Além do salário, existem gratificações?
  2. Como é disputar vagas com pessoas do país e do mundo inteiro?
  3. Quantas horas costumam trabalhar por dia/semana? Costumam fazer muitas horas extras?
  4. Com autorização de residência como estudante, é permitido trabalhar?
  5. Brasileiros conseguem arranjar um emprego para recomeçar? Onde procurar? O que é preciso?
  6. Existe carteira de trabalho, como no Brasil? Ou tudo é feito via contrato? Qual é a duração dos contratos?
  7. Existe aposentadoria em Portugal?
  8. Eu consigo fazer as entrevistas mesmo do Brasil?
  9. Ter uma experiência em outro país recompensa uma pessoa ter abandonado sua profissão no Brasil?
  10. Uma habilidade essencial para arrumar emprego na área de administração de empresas em Portugal?
1. Além do salário, existem gratificações?

Isto varia muito de acordo com a empresa, mas algumas distribuem um bônus anual, ao atingir os objetivos. Muito comum é que as empresas deem um cabaz de Natal, que é um presente, com produtos como vinho, enchidos, queijos, bolos de natal, etc.

2. Como é disputar vagas com pessoas do país e do mundo inteiro?

Nas cidades maiores, como Lisboa e Porto isso é mais comum, mas ainda assim, não acho que o mercado de trabalho em Portugal seja muito internacional. Felizmente, é possível termos autorização de residência para trabalho, portanto o fato de não termos um passaporte europeu não é um empecilho na hora de concorrer a vagas. Com base na minha experiência, acho que temos as mesmas oportunidades e competimos igualmente com qualquer estrangeiro. O que importa são, realmente, as tuas competências e habilidades.

A questão é: tu tens que investir no desenvolvimento dos teus conhecimentos, para se destacar no mercado. Com base na minha experiência e pessoas que eu conheci aqui em Portugal, é muito comum saberem falar inglês e, muitas vezes, também um terceiro idioma, como o espanhol ou o francês. Outra questão, é que eles costumam fazer o mestrado logo em seguida à licenciatura, mas com isso também demoram mais tempo para entrar no mercado de trabalho (o que pode favorecer a quem já tem experiência). Por exemplo, quando eu concorri a uma vaga aqui, eu já tinha cerca de 7 anos de experiência na área, enquanto um português na minha idade provavelmente teria 2 ou 3 anos, porque enquanto eu comecei a trabalhar aos 18 anos, aqui muitos só começam a trabalhar ao final do curso, pelos 23 anos.

Recomendo que assistam à live que fiz com a Débora, do @debora_moveup, porque ela é especialista com anos de experiência em recrutamento e compartilhou muitas dicas valiosas para se destacar e conquistar um emprego em Portugal.

3. Quantas horas costumam trabalhar por dia/semana? Costumam fazer muitas horas extras?

O normal aqui são 40h por semana, sendo 8 horas diárias e 5 dias de trabalho (salvo exceções, como trabalhos por turnos ou horário concentrado, que acumulam mais horas de trabalho, e depois mais dias de folga). Em um escritório, o horário mais comum é das 9h às 18h, com 1h de intervalo de almoço. Já em fábricas, geralmente são das 8h às 17h. Não é comum fazerem horas-extras, porque aqui elas não costumam ser remuneradas!

4. Com autorização de residência como estudante, é permitido trabalhar?

Sim, desde que não entre em conflito com os horários de aula e não atrapalhe o teu desempenho acadêmico (lembrando que, se a tua AR é para fins de estudos, esta é a tua prioridade, e terás que comprovar ao SEF que foste aluno a tempo integral e tiveste aproveitamento em todas as disciplinas)! Só é preciso notificar o SEF, para emitirem um novo título de residência com a frase “permite o exercício de actividade profissional”. No portal do SEF, tu podes ver mais detalhes sobre o processo de notificação ao SEF!

5. Brasileiros conseguem arranjar um emprego para recomeçar? Onde procurar? O que é preciso?

Sim, é muito comum que os empregos de recomeço façam parte da trajetória de um imigrante. Quando saí do Brasil, trabalhei como babá, entregadora de panfletos e em food truck na Irlanda. A minha trajetória em Portugal foi um pouco diferente, porque já estava em outra fase da imigração, mas caso não conheças a minha história, assiste a este vídeo para me conhecer melhor:

Aqui em Portugal, há muuuuuitos brasileiros trabalhando em serviços gerais, comércio, restaurantes, cafés, lojas, uber, serviços de entrega, como uber eats e glovo, além de fábricas, que também não faltam por aqui. Mas, também conheço muuuitos que conseguiram conquistar uma posição na sua área de formação. Eu sou exemplo disso, porque trabalho na área de exportação, mas conheço também brasileiros trabalhando como dentista, advogado, fisioterapeuta, desenvolvedor de software, e por aí adiante! Clica aqui para ouvir mais histórias!

Alguns dos principais sites para buscar emprego em Portugal são: Indeed.pt, Neuvoo.pt e Emprego.sapo.pt.

Para conquistar uma oportunidade, é preciso:

  • um currículo bem feito, claro, conciso e que se destaque;
  • muita determinação e resiliência, para aplicar para muitas vagas;
  • disposição para recomeçar, mesmo que não seja na tua área profissional;
  • maratonar o conteúdo que eu já compartilhei no YouTube, Instagram e aqui no blog, sobre o mercado de trabalho, carreira e dicas para conquistar um emprego em Portugal!
6. Existe carteira de trabalho, como no Brasil? Ou tudo é feito via contrato? Qual é a duração dos contratos?

Não existe carteira de trabalho em Portugal! Aqui é tudo baseado em contrato, que pode ser a termo (geralmente de 6 meses ou 1 ano, renováveis por até 2 anos), ou contrato sem termo (por período indeterminado).

E como sabem do teu histórico profissional? Pelo teu currículo e perfil no LinkedIn! Aqui realmente confiam no que dizes e escreves, então nem pensa em inventar!

7. Existe aposentadoria em Portugal?

Sim! Aqui é chamado de pensão de velhice ou reforma, e é preciso ter 66 anos e 6 meses em 2021.

O mais legal é que Brasil e Portugal têm acordo de equivalência: as contribuições nos dois países são consideradas na soma para solicitar a “pensão de invalidez, velhice e reforma”, em um país ou outro!

8. Eu consigo fazer as entrevistas mesmo do Brasil?

Dependendo da área, consegues fazer as entrevistas antes de chegar aqui. Isto é mais comum no caso de profissões de alta qualificação ou de grande demanda em Portugal, como a área a Tecnologias da Informação. O Leonardo, do @ti.portugal, nos contou como foi a experiência dele, procurando emprego ainda no Brasil, e as dicas que ele dá para quem está também à procura.

9. Ter uma experiência em outro país recompensa uma pessoa ter abandonado sua profissão no Brasil?

Na minha opinião, qualquer experiência no exterior é válida e enriquece não só o currículo, mas também o teu desenvolvimento pessoal. Morando fora, temos a oportunidade de conhecer uma realidade diferente daquela onde estamos inseridos, temos contato com pessoas de culturas e crenças diferentes, e enfrentamos também grandes desafios. É uma montanha-russa de sentimentos e experiências, que nos faz refletir, aprender e evoluir muito, em conhecimento do mundo e também autoconhecimento. A nível profissional, a experiência de viver no exterior torna-se uma grande prova de competências, porque demonstra que tu estás aberto a desafios, és resiliente e determinado a atingir os objetivos, tens capacidade de adaptação e estás interessado no desenvolvimento contínuo das tuas habilidades e conhecimentos. Obviamente, cada situação é singular e não recomendo que abandonem tudo no Brasil para “tentar a vida”, mas que seja uma decisão bem estruturada e planejada, com um objetivo claro e preparo para isso, para evitar frustrações.

Recentemente, conversei com o Clésio, que foi meu colega no mestrado em Portugal. Diferente de mim, ele decidiu voltar para o Brasil, porque não encontrou aqui as oportunidades profissionais que desejava. Ainda assim, conseguiu cumprir com o seu objetivo inicial, que era o mestrado em Gestão, e voltou com o currículo e o coração ricos em experiências, aprendizagem, viagens e histórias. Se quiseres saber mais sobre as expectativas x realidade, que o Clésio relatou nesse papo, assiste a live completa:

10. Uma habilidade essencial para arrumar emprego na área de administração de empresas em Portugal?

Considero que proatividade e comunicação assertiva são duas competências essenciais. Ambas são muito importantes na rotina de trabalho e, por isso, valorizadas pelas empresas. Tendo estas habilidades, conseguirás comunicar também as tuas outras competências e demonstrar por que tu és a pessoa certa para a vaga.

Tens mais dúvidas? Comenta aqui, que eu vou respondê-las! Um beijo e até a próxima!

Poder de compra por profissão: Brasil x Portugal

Onde tu terias um maior poder de compra: no Brasil ou em Portugal? Comparei os salários de várias profissões e analisei quantas horas de trabalho são necessárias para comprar uma cesta básica em ambos os países. Não deixes de assistir ao vídeo que publiquei sobre este tema, mas vale também ver as tabelas abaixo, para entender melhor os valores.

Há algum tempo, no #ReconstruindoNoMundo, nós fizemos a comparação do poder de compra entre os dois países. Mas, naquele vídeo, nos baseamos no salário mínimo do Brasil e de Portugal, e analisamos quantas horas de trabalho eram necessárias para comprar diversos produtos. Desta vez, eu quis fazer diferente, porque nem sempre o salário mínimo reflete a realidade. Por isso, abri uma caixinha lá no Instagram e perguntei qual era a profissão de vocês, o salario bruto mensal e quantos anos de experiência têm nessa função. Depois, comparei com o salário bruto médio de cada função, conforme indicado no site meusalario.pt e calculei quanto tempo cada pessoa teria de trabalhar em Portugal ou no Brasil para comprar os produtos de uma cesta básica.

Antes de começar, preciso comentar dois detalhes muito importantes, que diferenciam bastante os dois países:

  • carga horária: no Brasil, a carga horária máxima semanal é de 44h, enquanto em Portugal é de 40h. Isto significa que, no Brasil trabalha-se 2112 horas de trabalho por ano (44h/semana * 48 semanas/ano), e em Portugal 1920 horas (40h/semana * 48 semanas/ano);
  • salários anuais: além dos 12 meses de salário normais, no Brasil, recebemos também o 13º (subsídio de natal) e 1/3 de um salário, referente às férias. Já em Portugal, ao invés de se receber 1/3, aqui o subsidio de férias corresponde a um salário completo. Por isso, aqui recebemos 14 salários anuais.

Estes dois fatores foram considerados nos cálculos do salário por hora, já que as horas trabalhadas por ano são diferentes em cada país, e também a quantidade de salários anuais.

Em relação aos subsídios de alimentação e transporte, optei por não considerá-los no cálculo, já que, apesar de serem comuns em ambos os países, os valores variam muito entre uma empresa e outra. Vale comentar que, apesar de ser muito frequente, o pagamento de subsídio refeição pelas empresas privadas não é obrigatório em Portugal, vai depender de cada organização. Na empresa onde eu trabalho, por exemplo, o valor pago por dia é de € 7,00. No caso dos funcionários públicos, sim, o direito ao subsídio refeição é garantido por lei e o valor é de € 4,77 por dia trabalhado (em 2021).

Também não considerei os impostos sobre a renda dos dois países. Portanto, esta análise é uma comparação de salários brutos, para que tenham uma noção entre o poder de compra em ambos os países, mas não é 100% preciso.

Então, vamos lá descobrir onde vocês teriam maior poder de compra em várias profissões?

Primeiro, vamos comparar o custo de uma cesta básica no Brasil e em Portugal. Considerei os itens da cesta básica nacional brasileira, conforme definido pelo DIEESE: cesta normal média para a massa trabalhadora em atividades diversas e para todo o território nacional. As diretrizes para a composição desta cesta podem ser consultadas aqui.

Consultei os preços destes itens no site do Carrefour no Brasil e no site do Pingo Doce e Continente, em Portugal, em maio/2021.

O valor da cesta básica no Brasil (R$ 575,67) corresponde a 52,3% do salário mínimo nacional, enquanto que, em Portugal, o valor total da mesma cesta (€ 144,57) equivale a 21,7% do salário mínimo. Isto significa que, se ganhares um salário mínimo no Brasil, precisarás trabalhar 82h 55min para comprar uma cesta básica. Já com o salário mínimo português, são necessárias apenas 29h 49min: um poder de compra quase 3x superior ao do Brasil!

Clica na imagem a seguir para ver melhor a tabela que preparei, com as profissões que vocês compartilharam comigo!

Caso a tua profissão não esteja nesta lista, segue estes passos para comparar qual seria o teu poder de compra em Portugal:

  1. Calcula qual é o teu salário por hora no Brasil (multiplica o teu salário bruto mensal × 13,33, e depois divide por 2112 horas de trabalho anuais);
  2. Busca a tua profissão no site meusalario.pt, para saber qual é o salário médio bruto mensal para os anos de experiência que tu tens nesta função;
  3. Calcula qual seria o teu salário por hora em Portugal (multiplica o salário médio indicado para a tua área × 14, e depois divide por 1920 horas de trabalho anuais);
  4. Divide o valor da cesta básica no Brasil (R$ 575,67) pelo teu salário por hora (resultado do passo 1, para saber quantas horas precisas trabalhar para comprar estes produtos;
  5. Converte o resultado do passo 4 em tempo. Para isso, precisas calcular os minutos;
  6. Divide o valor da cesta básica em Portugal (€ 144,57) pelo salário médio por hora (resultado do passo 3), para saber quantas horas precisarias trabalhar para comprar estes produtos em Portugal;
  7. Converte o resultado do passo 6 em tempo. Para isso, precisas calcular os minutos;
  8. Divide o resultado do passo 4 pelo resultado do passo 5 para saber em qual país terias o maior poder de compra. Se o resultado for superior a 1, significa que é em Portugal.

Ficou com dúvidas? Aqui tens o exemplo de uma secretária com 10 anos de experiência:

Neste exemplo, o poder de compra desta pessoa seria 3,32 vezes maior em Portugal, se trabalhasse na mesma área com estes anos de experiência.

Analisando estas profissões e o custo da cesta básica, nota-se que empregos que, no Brasil ganham até R$ 2000/mês, teriam um poder de compra muito maior em Portugal (de 1,9 a 5,1 superior nas profissões analisadas). Por outro lado, algumas profissões com altos salários no Brasil, apresentaram um poder de compra muito similar ou, até, um pouco mais alto no Brasil do que em Portugal.

O poder de compra é uma das importantes questões que devem ser avaliadas ao pensar em imigrar, mas certamente não é a única. Assiste este vídeo para saber a minha opinião, se vale a pena ou não morar em Portugal.

Profissões em Portugal

Queres saber como é trabalhar em diferentes áreas em Portugal? É preciso reconhecer as tuas habilitações brasileiras para trabalhar em Portugal? É preciso inscrever-se na Ordem dos profissionais em Portugal? Qual é o salário médio em cada área? Isto e muito mais, os convidados da série #ReconstruindoEmPortugal têm me contado, todas as quartas-feiras, em lives exibidas no YouTube! Não deixem de acompanhar e, caso tenham perdido os episódios anteriores, aqui estão:

Encerro este artigo com chave de ouro, com duas lives super importantes para quem pensa em buscar emprego em Portugal! Nestas lives, conversei com profissionais da área de recursos humanos e desenvolvimento pessoal, e elas compartilharam muitas dicas sobre como se destacar e conseguir um emprego em Portugal, como preparar o currículo, como são as entrevistas, quais são as soft skills mais valorizadas em Portugal, como avaliar e desenvolver as soft skills, e muito mais!

Lives importantes para todas as áreas!

Gostaste? Então não deixes de assistir aos próximos episódios e compartilhar com os amigos que também pensam em reconstruir a carreira em Portugal! Comenta aqui quais profissões tu gostarias de ver nesta série e saber mais!