Lazer no Porto: quanto custa?

Na hora de planejar uma viagem, é sempre muito importante ter uma noção dos custos que teremos no nosso destino, e estes valores podem variar muito de uma cidade para outra. Será que o Porto é caro ou barato?

Neste episódio do projeto @ProjetoElasPeloMundo, selecionamos alguns itens de lazer e comparamos entre o Porto e diversas outras cidades.

Ticket unitário de transporte público: o valor do transporte público no Porto depende da distância que se vai percorrer, variando entre € 1,25 (Z2) e € 2 (Z4). Antes de comprar o bilhete (Z2, Z3 ou Z4), confirma sempre na lista que há ao lado da máquina na estação de metro, para saber por quantas zonas vais passar, entre a estação onde vais embarcar e o teu destino. Se comprares o bilhete único no ônibus, será sempre € 2/trecho;

Uber ou Bolt do aeroporto ao centro do Porto: em média, entre € 10 e € 12, mas pode ser mais alto ou mais baixo, dependendo da disponibilidade de veículos e das promoções disponíveis;

Cinema: os valores do cinema variam bastante, porque há promoções para quem tem contrato de internet ou celular com a NOS e WTF, ou para estudantes, idosos e família, por exemplo, mas de modo geral custam em torno de € 7/pessoa;

MCSundae: € 2,10;

Cerveja nacional: 1 Super Bock mini (200ml) custa +- € 0,50 no supermercado. Já num restaurante, um fino (copo de cerveja de 200ml) custa em torno de € 2;

Café expresso: o amado café português custa € 0,70;

Principal museu do Porto: uma das atrações imperdíveis por aqui é visitar uma cave de Vinho do Porto, para aprender sobre este vinho, com características tão únicas, e degustá-lo, é claro! Já fiz diversas visitas guiadas às caves da Cockburn’s e todas as experiências foram ótimas! A melhor parte é que há visitas para todos os gostos e bolsos, a partir de €15. Se falarem que são meus seguidores, ganham ainda 10% de desconto: aproveitem! f25a2e

Então, achaste o Porto caro ou barato de visitar? Me conta nos comentários se já estivestes por aqui ou se sonhas em conhecer a Invicta!

Banner- afiliados

Sistema de Saúde Pública em Portugal: tudo o que precisas saber!

Antes de planejar uma viagem ou mudança para o exterior, há muitos fatores que devemos considerar. Um deles é, indiscutivelmente, a questão de saúde.

Em viagens ocasionais, já sabemos a importância de estarmos cobertos por um Seguro Viagem, que sustente eventuais despesas de saúde, extravio de bagagem, atraso ou perda de voo, repatriação, além de todo apoio prestado pelas seguradoras. Para isso, sabes que podes contar com a Seguros Promo para comparar as melhores opções entre diversas seguradoras (e ganhe 5% de desconto imediato usando o cupom ASEMFRONTEIRAS5) ou com as excelentes tarifas e coberturas da IATI Seguros (e ganhe 5% de desconto imediato com este link).

Já no caso de imigração, é importantíssimo compreender o funcionamento do sistema público de saúde do teu país de destino e saber se terás direito a usá-lo. Portanto, hoje vou contar um pouco sobre o sistema público de saúde português.

Importante saber: SNS24

Em Portugal existe uma linha de apoio médico, em que podemos ligar para ter orientações em caso de necessidades. Caso precise se deslocar para um hospital, a chamada já serve como triagem e agiliza o processo de encaminhamento. Então salva já o número do SNS24, que pode ser muito importante: 808 24 24 24.

Documentação

Para ter acesso ao Sistema de Saúde Pública da mesma forma que os portugueses, os cidadãos brasileiros devem apresentar um documento chamado PB4, também chamado de Certificado de Direito à Assistência Médica (CDAM). Todos os brasileiros podem solicitá-lo gratuitamente, no Núcleo Estadual do Ministério da Saúde, que agora pode ser feito online, no portal do governo, e leva 15 dias para ficar disponível para impressão. Para solicitá-lo, deve-se apresentar o RG, CPF, passaporte válido e comprovante de residência no Brasil. A validade será de 01 ano da data solicitada para o início da cobertura, a qual poderá ser posterior à data de emissão do documento, por exemplo. Para ver mais informações, acessa aqui o site oficial.

Número do Utente e Centro de Saúde

Já em Portugal, deves dirigir-te ao Centro de Saúde do bairro (freguesia) onde vives e solicitar a tua inscrição e número do Utente. Para isso, a documentação que precisas apresentar inclui o PB4, o NIF (equivalente ao CPF em Portugal, que deves solicitar no departamento de Finanças assim que chegar em Portugal, já que este documento é exigido em muitos processos, como abrir conta bancária e emitir contrato de aluguel ou trabalho), o comprovante de endereço (pode ser uma conta que indique teu nome e endereço completo ou o comprovante emitido pela Junta da Freguesia) e um documento de identificação (passaporte, cartão de residência ou BI).

Geralmente, será designado um médico de família, que será o mesmo a atender-te em todas as tuas consultas, mas alguns centros de saúde podem estar sem disponibilidade para designar um médico específico, então poderás ser atendido por aquele que estiver disponível no momento da marcação (como é o meu caso e de milhares de portugueses). Apenas em caso de necessidade, o médico de família encaminha para uma consulta com especialista.

Consultas, Exames e Remédios

As consultas de rotina são sempre feitas no Centro de Saúde e, então, o médico faz o encaminhamento para um especialista, caso necessário. Podem ser agendadas presencialmente, por telefone ou pelo Portal SNS, após registrado aqui e, em 2019, tinham uma taxa moderadora de €4,50 ou € 35 (sem o PB4). Desde 2020, as consultas passaram a ser gratuitas e agora, em 2021, os exames de diagnóstico e terapêuticos também!

Outra questão muito importante e interessante é que os exames e remédios têm um preço máximo limitado pelo próprio Estado, quando apresentada uma receita médica (aliás, na própria receita consta o valor máximo). Muitos remédios e exames também são comparticipados pelo Estado. Por exemplo, devido à pandemia, nós podemos solicitar até 4 testes rápidos de Covid-19 por mês nas farmácias credenciadas. Para que tenham uma ideia, as análises de sangue, custam centavos por cada item a examinar.

Também é possível agendar uma consulta gratuita de “planejamento familiar“, e o centro de saúde distribui preservativos e pílulas anticoncepcionais gratuitamente. No meu caso, tomo uma que não está entre as disponíveis no Centro (Yaz / Daylette), mas é também comparticipada pelo governo, e acabo pagando +- €1 por cartela, sendo que, no Brasil, esta mesma pílula custa cerca de R$ 55.

Ah, adorei também que existe a opção entre receber a receita em papel, por e-mail ou pelo aplicativo da SNS, o que é ótimo para ajudar a preservar o planeta e não perder a receita pelo caminho!

Plano de saúde particular

Muitas empresas oferecem plano de saúde particular como um benefício, com cobertura para consultas em clínicas particulares, dentista, óculos/lentes, etc. A empresa onde eu trabalho oferece um plano de saúde privado, que me dá acesso a consultas com especialistas por € 12,50, e tive desconto na compra dos óculos graduados, por comprar em uma loja afiliada ao plano. Não tenho qualquer desconto no salário por receber este benefício.

Emergências e Cirurgias

Em caso de emergência, deve-se sempre buscar o hospital mais próximo. Nestes 4 anos e meio em Portugal, só uma vez precisei usar um hospital, porque tive uma intoxicação alimentar. Esperei umas 3 horas para ser atendida, mas não paguei nada pela consulta, nem pela medicação que recebi.

Em 2019, uma amiga cortou o pé e teve que ser atendida no meio da noite. Foi atendida rapidamente no hospital, levou pontos e foi liberada em cerca de 1,5h! Depois, teve que ir ao Centro de Saúde onde estava inscrita, para que trocassem os curativos e retirassem os pontos, onde teve que pagar uma taxa moderadora, mas não muito elevada.

Outra amiga teve câncer de mama, então teve que ser encaminhada para um oncologista, fazer diversos exames e cirurgia. O processo foi muito demorado, porque não consideraram o caso de urgência e, ainda, houve greve dos enfermeiros no período em que a cirurgia havia sido agendada, então teve que ser remarcada. A única despesa que foi cobrada foi a consulta inicial no Centro de Saúde, porque depois todos os encaminhamentos e procedimentos foram gratuitos.

Conheci também um rapaz que teve que ser operado para retirar o apêndice. Como ele era menor de idade, todas as consultas (inclusive no Centro de saúde) e cirurgia foram gratuitas.

Cartão Europeu de Seguro de Doença

Podemos solicitar, também, o Cartão Europeu de Seguro de Doença, após estar inscrito na Segurança Social em Portugal e ter em mãos o título de residência. Este cartão permite-nos ter cuidados médicos do sistema público de saúde durante a estadia temporária nos países membros da União Europeia e, também, Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça. É gratuito e pode ser solicitado pelo Portal Segurança Social Direta ou presencialmente, num posto de atendimento da Segurança Social, em uma Loja do Cidadão ou nos serviços do subsistema de saúde. Para mais informações, consulte o site oficial.

Preciso contratar um seguro de saúde particular ou o SNS é suficiente?

Baseada nas experiências que eu vivi em Portugal nestes últimos 4 anos, considero um plano de saúde particular um gasto dispensável, porque o SNS oferece os cuidados de saúde necessários a um preço muito baixo (ou até gratuitamente). Atualmente, tenho plano de saúde, porque é um benefício oferecido pela empresa onde trabalho (isto é bastante comum por aqui), mas em algumas situações ainda prefiro consultar no SNS, porque os exames no sistema privado são caros, enquanto que no público são gratuitos ou muito baratos. Por exemplo, quando consultei um ortopedista em um hospital privado, paguei € 12,50 pela consulta e € 80 pela ressonância magnética (mesmo com o plano de saúde).

Tu também sonhas em morar em Portugal ou ficaste com alguma dúvida? Então entra já em contato para saber mais!

Banner- afiliados

Quanto custa viver no Porto em 2021?

O custo de vida é uma preocupação muito comum de quem pensa em morar aqui nessa cidade linda ou simplesmente tem curiosidade e quer comparar com outras cidades pelo mundo. Então, neste artigo, vou comentar as despesas mensais médias de um estudante ou trabalhador, que alugue um quarto em apartamento compartilhado com outras pessoas, e também de um casal, que alugue um apartamento de um quarto (T1), ambos na região central do Porto. Importante lembrar que os valores dependem do estilo de vida e prioridades de cada pessoa, por isso os custos mencionados neste artigo são baseados no meu estilo de vida e apenas para dar uma referência para vocês.

Um site que eu recomendo muito para comparar o custo de vida em diferentes cidades é o numbeo.com. Ele compara diversos itens, baseado nas informações compartilhadas pelos usuários e é possível também ver qual é a renda necessária para manter o mesmo estilo de vida em diferentes cidades.

Neste artigo, falei os valores em euros e, no final, fiz a conversão para reais, para que vocês tenham uma noção de quanto precisariam mensalmente, para manter-se por algum tempo por aqui até conseguirem emprego, caso estejam pensando em imigrar para cá. Usei a taxa de conversão do Banco Central do Brasil, de 04/06/21, em que € 1 = R$ 6,1665.

Moradia é, sem dúvidas, a despesa mais alta nesta conta. Eu pesquisei por apartamentos de +-50m² e também quartos para 1 pessoa em um bairro central no Porto, no site imovirtual, para ter uma noção atualizada sobre os preços. Encontrei quartos privados equipados e mobiliados para 1 pessoa, em um apartamento compartilhado e com contas inclusas, por € 260/mês. No caso de um casal que opte por viver em um T1 (apartamento de 1 quarto), no centro do Porto, o custo seria de +- € 500/mês, sem contas. Claro que existem opções por mais ou por menos, mas eu considerei este valores como sendo a média das opções que eu encontrei. Aqui é importante também prestar atenção se a moradia é mobilada e equipada com os eletrodomésticos.

Já as contas, eu considerei os meus gastos médios mensais. Há também algumas opções de moradia que já incluem contas, até um certo valor, então vale sempre

O passe de transporte público no Porto custa € 40/mês, e com ele é possível andar com os autocarros e metro por toda a cidade.

O plano de saúde depende das prioridades e idade de cada pessoa, por isso não considerei nesta análise do custo de vida. É muito comum o uso do Sistema Nacional de Saúde (cada consulta custava €4,50, e em 2021 são todas gratuitas, inclusive alguns exames) e também as empresas costumam oferecer o seguro de saúde como um benefício.

O valor das contas de telemóvel (celular) varia muito de acordo com o tarifário de uma operadora ou outra. As principais empresas são NOS, MEO, Vodafone. Existem também algumas operadoras focadas em jovens com menos de 25 anos e estudantes, como a WTF e a YORN, que oferecem tarifas mais acessíveis, em torno de € 12 por mês. No caso do casal, considerei os tarifários normais, que custam em torno de € 24 mensais por pessoa, dependendo das condições do plano, quantidade de minutos e dados móveis.

Sobre a conta de internet fixa, aqui é muito comum fazerem combos, com a TV a cabo e o telefone fixo. Assim como no tarifário do telemóvel, as principais empresas também são NOS, MEO, Vodafone. O valor mensal depende do pacote escolhido, mas o mais básico da Vodafone custa € 30,90, que pode ser acrescido com contratação da box para gravação ou dos canais adicionais escolhidos.

Mas, quem não quer saber de TV a cabo e, como eu, é viciado no Netflix, aqui o pacote mais básico custa € 7,99, o intermediário custa € 10,99 e o premium € 13,99.

O valor das academias (ginásios) também varia de acordo com a estrutura e serviços que cada uma oferece. Os valores podem ser mensais, quinzenais ou semanais, e podem variar de acordo com o horário de acesso à academia (variando caso seja exclusivamente em horários de menor movimento, durante o dia, ou em horário livre), ou também se puder usar qualquer ginásio da rede e também ir às aulas em grupo, ou então ter a possibilidade de tomar banho na academia. Enfim, são mil e uma questões que podem interferir no preço. Além disso, algumas cobram uma joia, que é a taxa de inscrição, e um seguro, de aproximadamente € 25. Então, eu calculei de acordo com o plano da Fitness Up, e as mensalidades podem ficar em torno de € 27 por um pacote com horários livres e acesso às aulas.

Gastos em supermercado: essa é outra conta que varia muuuuito de acordo com as preferências de cada pessoa. Eu, por exemplo, consumo muitos produtos de marca branca, que é a marca do supermercado. Esses produtos costumam ter preços bem mais interessantes e, na minha opinião, no geral a qualidade é boa e não justifica gastar bem mais por uma marca conhecida. Daqui a algumas semanas eu vou postar aqui um vídeo mostrando as minhas compras da semana, para que vocês tenham uma noção dos valores de cada item. Fiquem de olho! Eu considerei os meus gastos médios de € 175, entre ir ao supermercado e comer fora pontualmente.

Nem vou entrar no assunto lazer, porque isso varia muuuito de acordo com o teu estilo de vida! 🙂

Em resumo, cheguei ao custo de vida mensal de € 522,15 para um estudante ou trabalhador que divida apartamento com outras pessoas, e € 1145,54 para um casal, que alugue um T1. Vejam mais detalhes aqui:

Comenta aqui se achaste caro ou barato e compartilha o vídeo com aqueles amigos que também querem saber mais sobre a vida no Porto!🤍

Trabalhar em Portugal: perguntas e respostas!

Tu também pensas em imigrar para Portugal ou outro país, em busca de maior qualidade de vida, oportunidades e segurança? Como imigrante, eu sei bem que emprego é sempre a maior preocupação ao pensar em morar fora, por isso hoje eu e as outras participantes do projeto #ReconstruindoNoMundo viemos responder a 6 perguntas que recebemos lá no Instagram, sobre como é trabalhar em Portugal e em vários outros países. Não deixem de acompanhar o projeto, porque quinzenalmente, aos domingos às 13h de Brasília, nós trazemos novos conteúdos sobre trabalho, estudos e vida no exterior! Neste artigo, além de responder a estas 6 perguntas, selecionei também outras dúvidas que recebi! Como diriam os portugueses, vamos a isto?

  1. Além do salário, existem gratificações?
  2. Como é disputar vagas com pessoas do país e do mundo inteiro?
  3. Quantas horas costumam trabalhar por dia/semana? Costumam fazer muitas horas extras?
  4. Com autorização de residência como estudante, é permitido trabalhar?
  5. Brasileiros conseguem arranjar um emprego para recomeçar? Onde procurar? O que é preciso?
  6. Existe carteira de trabalho, como no Brasil? Ou tudo é feito via contrato? Qual é a duração dos contratos?
  7. Existe aposentadoria em Portugal?
  8. Eu consigo fazer as entrevistas mesmo do Brasil?
  9. Ter uma experiência em outro país recompensa uma pessoa ter abandonado sua profissão no Brasil?
  10. Uma habilidade essencial para arrumar emprego na área de administração de empresas em Portugal?
1. Além do salário, existem gratificações?

Isto varia muito de acordo com a empresa, mas algumas distribuem um bônus anual, ao atingir os objetivos. Muito comum é que as empresas deem um cabaz de Natal, que é um presente, com produtos como vinho, enchidos, queijos, bolos de natal, etc.

2. Como é disputar vagas com pessoas do país e do mundo inteiro?

Nas cidades maiores, como Lisboa e Porto isso é mais comum, mas ainda assim, não acho que o mercado de trabalho em Portugal seja muito internacional. Felizmente, é possível termos autorização de residência para trabalho, portanto o fato de não termos um passaporte europeu não é um empecilho na hora de concorrer a vagas. Com base na minha experiência, acho que temos as mesmas oportunidades e competimos igualmente com qualquer estrangeiro. O que importa são, realmente, as tuas competências e habilidades.

A questão é: tu tens que investir no desenvolvimento dos teus conhecimentos, para se destacar no mercado. Com base na minha experiência e pessoas que eu conheci aqui em Portugal, é muito comum saberem falar inglês e, muitas vezes, também um terceiro idioma, como o espanhol ou o francês. Outra questão, é que eles costumam fazer o mestrado logo em seguida à licenciatura, mas com isso também demoram mais tempo para entrar no mercado de trabalho (o que pode favorecer a quem já tem experiência). Por exemplo, quando eu concorri a uma vaga aqui, eu já tinha cerca de 7 anos de experiência na área, enquanto um português na minha idade provavelmente teria 2 ou 3 anos, porque enquanto eu comecei a trabalhar aos 18 anos, aqui muitos só começam a trabalhar ao final do curso, pelos 23 anos.

Recomendo que assistam à live que fiz com a Débora, do @debora_moveup, porque ela é especialista com anos de experiência em recrutamento e compartilhou muitas dicas valiosas para se destacar e conquistar um emprego em Portugal.

3. Quantas horas costumam trabalhar por dia/semana? Costumam fazer muitas horas extras?

O normal aqui são 40h por semana, sendo 8 horas diárias e 5 dias de trabalho (salvo exceções, como trabalhos por turnos ou horário concentrado, que acumulam mais horas de trabalho, e depois mais dias de folga). Em um escritório, o horário mais comum é das 9h às 18h, com 1h de intervalo de almoço. Já em fábricas, geralmente são das 8h às 17h. Não é comum fazerem horas-extras, porque aqui elas não costumam ser remuneradas!

4. Com autorização de residência como estudante, é permitido trabalhar?

Sim, desde que não entre em conflito com os horários de aula e não atrapalhe o teu desempenho acadêmico (lembrando que, se a tua AR é para fins de estudos, esta é a tua prioridade, e terás que comprovar ao SEF que foste aluno a tempo integral e tiveste aproveitamento em todas as disciplinas)! Só é preciso notificar o SEF, para emitirem um novo título de residência com a frase “permite o exercício de actividade profissional”. No portal do SEF, tu podes ver mais detalhes sobre o processo de notificação ao SEF!

5. Brasileiros conseguem arranjar um emprego para recomeçar? Onde procurar? O que é preciso?

Sim, é muito comum que os empregos de recomeço façam parte da trajetória de um imigrante. Quando saí do Brasil, trabalhei como babá, entregadora de panfletos e em food truck na Irlanda. A minha trajetória em Portugal foi um pouco diferente, porque já estava em outra fase da imigração, mas caso não conheças a minha história, assiste a este vídeo para me conhecer melhor:

Aqui em Portugal, há muuuuuitos brasileiros trabalhando em serviços gerais, comércio, restaurantes, cafés, lojas, uber, serviços de entrega, como uber eats e glovo, além de fábricas, que também não faltam por aqui. Mas, também conheço muuuitos que conseguiram conquistar uma posição na sua área de formação. Eu sou exemplo disso, porque trabalho na área de exportação, mas conheço também brasileiros trabalhando como dentista, advogado, fisioterapeuta, desenvolvedor de software, e por aí adiante! Clica aqui para ouvir mais histórias!

Alguns dos principais sites para buscar emprego em Portugal são: Indeed.pt, Neuvoo.pt e Emprego.sapo.pt.

Para conquistar uma oportunidade, é preciso:

  • um currículo bem feito, claro, conciso e que se destaque;
  • muita determinação e resiliência, para aplicar para muitas vagas;
  • disposição para recomeçar, mesmo que não seja na tua área profissional;
  • maratonar o conteúdo que eu já compartilhei no YouTube, Instagram e aqui no blog, sobre o mercado de trabalho, carreira e dicas para conquistar um emprego em Portugal!
6. Existe carteira de trabalho, como no Brasil? Ou tudo é feito via contrato? Qual é a duração dos contratos?

Não existe carteira de trabalho em Portugal! Aqui é tudo baseado em contrato, que pode ser a termo (geralmente de 6 meses ou 1 ano, renováveis por até 2 anos), ou contrato sem termo (por período indeterminado).

E como sabem do teu histórico profissional? Pelo teu currículo e perfil no LinkedIn! Aqui realmente confiam no que dizes e escreves, então nem pensa em inventar!

7. Existe aposentadoria em Portugal?

Sim! Aqui é chamado de pensão de velhice ou reforma, e é preciso ter 66 anos e 6 meses em 2021.

O mais legal é que Brasil e Portugal têm acordo de equivalência: as contribuições nos dois países são consideradas na soma para solicitar a “pensão de invalidez, velhice e reforma”, em um país ou outro!

8. Eu consigo fazer as entrevistas mesmo do Brasil?

Dependendo da área, consegues fazer as entrevistas antes de chegar aqui. Isto é mais comum no caso de profissões de alta qualificação ou de grande demanda em Portugal, como a área a Tecnologias da Informação. O Leonardo, do @ti.portugal, nos contou como foi a experiência dele, procurando emprego ainda no Brasil, e as dicas que ele dá para quem está também à procura.

9. Ter uma experiência em outro país recompensa uma pessoa ter abandonado sua profissão no Brasil?

Na minha opinião, qualquer experiência no exterior é válida e enriquece não só o currículo, mas também o teu desenvolvimento pessoal. Morando fora, temos a oportunidade de conhecer uma realidade diferente daquela onde estamos inseridos, temos contato com pessoas de culturas e crenças diferentes, e enfrentamos também grandes desafios. É uma montanha-russa de sentimentos e experiências, que nos faz refletir, aprender e evoluir muito, em conhecimento do mundo e também autoconhecimento. A nível profissional, a experiência de viver no exterior torna-se uma grande prova de competências, porque demonstra que tu estás aberto a desafios, és resiliente e determinado a atingir os objetivos, tens capacidade de adaptação e estás interessado no desenvolvimento contínuo das tuas habilidades e conhecimentos. Obviamente, cada situação é singular e não recomendo que abandonem tudo no Brasil para “tentar a vida”, mas que seja uma decisão bem estruturada e planejada, com um objetivo claro e preparo para isso, para evitar frustrações.

Recentemente, conversei com o Clésio, que foi meu colega no mestrado em Portugal. Diferente de mim, ele decidiu voltar para o Brasil, porque não encontrou aqui as oportunidades profissionais que desejava. Ainda assim, conseguiu cumprir com o seu objetivo inicial, que era o mestrado em Gestão, e voltou com o currículo e o coração ricos em experiências, aprendizagem, viagens e histórias. Se quiseres saber mais sobre as expectativas x realidade, que o Clésio relatou nesse papo, assiste a live completa:

10. Uma habilidade essencial para arrumar emprego na área de administração de empresas em Portugal?

Considero que proatividade e comunicação assertiva são duas competências essenciais. Ambas são muito importantes na rotina de trabalho e, por isso, valorizadas pelas empresas. Tendo estas habilidades, conseguirás comunicar também as tuas outras competências e demonstrar por que tu és a pessoa certa para a vaga.

Tens mais dúvidas? Comenta aqui, que eu vou respondê-las! Um beijo e até a próxima!

Poder de compra por profissão: Brasil x Portugal

Onde tu terias um maior poder de compra: no Brasil ou em Portugal? Comparei os salários de várias profissões e analisei quantas horas de trabalho são necessárias para comprar uma cesta básica em ambos os países. Não deixes de assistir ao vídeo que publiquei sobre este tema, mas vale também ver as tabelas abaixo, para entender melhor os valores.

Há algum tempo, no #ReconstruindoNoMundo, nós fizemos a comparação do poder de compra entre os dois países. Mas, naquele vídeo, nos baseamos no salário mínimo do Brasil e de Portugal, e analisamos quantas horas de trabalho eram necessárias para comprar diversos produtos. Desta vez, eu quis fazer diferente, porque nem sempre o salário mínimo reflete a realidade. Por isso, abri uma caixinha lá no Instagram e perguntei qual era a profissão de vocês, o salario bruto mensal e quantos anos de experiência têm nessa função. Depois, comparei com o salário bruto médio de cada função, conforme indicado no site meusalario.pt e calculei quanto tempo cada pessoa teria de trabalhar em Portugal ou no Brasil para comprar os produtos de uma cesta básica.

Antes de começar, preciso comentar dois detalhes muito importantes, que diferenciam bastante os dois países:

  • carga horária: no Brasil, a carga horária máxima semanal é de 44h, enquanto em Portugal é de 40h. Isto significa que, no Brasil trabalha-se 2112 horas de trabalho por ano (44h/semana * 48 semanas/ano), e em Portugal 1920 horas (40h/semana * 48 semanas/ano);
  • salários anuais: além dos 12 meses de salário normais, no Brasil, recebemos também o 13º (subsídio de natal) e 1/3 de um salário, referente às férias. Já em Portugal, ao invés de se receber 1/3, aqui o subsidio de férias corresponde a um salário completo. Por isso, aqui recebemos 14 salários anuais.

Estes dois fatores foram considerados nos cálculos do salário por hora, já que as horas trabalhadas por ano são diferentes em cada país, e também a quantidade de salários anuais.

Em relação aos subsídios de alimentação e transporte, optei por não considerá-los no cálculo, já que, apesar de serem comuns em ambos os países, os valores variam muito entre uma empresa e outra. Vale comentar que, apesar de ser muito frequente, o pagamento de subsídio refeição pelas empresas privadas não é obrigatório em Portugal, vai depender de cada organização. Na empresa onde eu trabalho, por exemplo, o valor pago por dia é de € 7,00. No caso dos funcionários públicos, sim, o direito ao subsídio refeição é garantido por lei e o valor é de € 4,77 por dia trabalhado (em 2021).

Também não considerei os impostos sobre a renda dos dois países. Portanto, esta análise é uma comparação de salários brutos, para que tenham uma noção entre o poder de compra em ambos os países, mas não é 100% preciso.

Então, vamos lá descobrir onde vocês teriam maior poder de compra em várias profissões?

Primeiro, vamos comparar o custo de uma cesta básica no Brasil e em Portugal. Considerei os itens da cesta básica nacional brasileira, conforme definido pelo DIEESE: cesta normal média para a massa trabalhadora em atividades diversas e para todo o território nacional. As diretrizes para a composição desta cesta podem ser consultadas aqui.

Consultei os preços destes itens no site do Carrefour no Brasil e no site do Pingo Doce e Continente, em Portugal, em maio/2021.

O valor da cesta básica no Brasil (R$ 575,67) corresponde a 52,3% do salário mínimo nacional, enquanto que, em Portugal, o valor total da mesma cesta (€ 144,57) equivale a 21,7% do salário mínimo. Isto significa que, se ganhares um salário mínimo no Brasil, precisarás trabalhar 82h 55min para comprar uma cesta básica. Já com o salário mínimo português, são necessárias apenas 29h 49min: um poder de compra quase 3x superior ao do Brasil!

Clica na imagem a seguir para ver melhor a tabela que preparei, com as profissões que vocês compartilharam comigo!

Caso a tua profissão não esteja nesta lista, segue estes passos para comparar qual seria o teu poder de compra em Portugal:

  1. Calcula qual é o teu salário por hora no Brasil (multiplica o teu salário bruto mensal × 13,33, e depois divide por 2112 horas de trabalho anuais);
  2. Busca a tua profissão no site meusalario.pt, para saber qual é o salário médio bruto mensal para os anos de experiência que tu tens nesta função;
  3. Calcula qual seria o teu salário por hora em Portugal (multiplica o salário médio indicado para a tua área × 14, e depois divide por 1920 horas de trabalho anuais);
  4. Divide o valor da cesta básica no Brasil (R$ 575,67) pelo teu salário por hora (resultado do passo 1, para saber quantas horas precisas trabalhar para comprar estes produtos;
  5. Converte o resultado do passo 4 em tempo. Para isso, precisas calcular os minutos;
  6. Divide o valor da cesta básica em Portugal (€ 144,57) pelo salário médio por hora (resultado do passo 3), para saber quantas horas precisarias trabalhar para comprar estes produtos em Portugal;
  7. Converte o resultado do passo 6 em tempo. Para isso, precisas calcular os minutos;
  8. Divide o resultado do passo 4 pelo resultado do passo 5 para saber em qual país terias o maior poder de compra. Se o resultado for superior a 1, significa que é em Portugal.

Ficou com dúvidas? Aqui tens o exemplo de uma secretária com 10 anos de experiência:

Neste exemplo, o poder de compra desta pessoa seria 3,32 vezes maior em Portugal, se trabalhasse na mesma área com estes anos de experiência.

Analisando estas profissões e o custo da cesta básica, nota-se que empregos que, no Brasil ganham até R$ 2000/mês, teriam um poder de compra muito maior em Portugal (de 1,9 a 5,1 superior nas profissões analisadas). Por outro lado, algumas profissões com altos salários no Brasil, apresentaram um poder de compra muito similar ou, até, um pouco mais alto no Brasil do que em Portugal.

O poder de compra é uma das importantes questões que devem ser avaliadas ao pensar em imigrar, mas certamente não é a única. Assiste este vídeo para saber a minha opinião, se vale a pena ou não morar em Portugal.

Profissões em Portugal

Queres saber como é trabalhar em diferentes áreas em Portugal? É preciso reconhecer as tuas habilitações brasileiras para trabalhar em Portugal? É preciso inscrever-se na Ordem dos profissionais em Portugal? Qual é o salário médio em cada área? Isto e muito mais, os convidados da série #ReconstruindoEmPortugal têm me contado, todas as quartas-feiras, em lives exibidas no YouTube! Não deixem de acompanhar e, caso tenham perdido os episódios anteriores, aqui estão:

Encerro este artigo com chave de ouro, com duas lives super importantes para quem pensa em buscar emprego em Portugal! Nestas lives, conversei com profissionais da área de recursos humanos e desenvolvimento pessoal, e elas compartilharam muitas dicas sobre como se destacar e conseguir um emprego em Portugal, como preparar o currículo, como são as entrevistas, quais são as soft skills mais valorizadas em Portugal, como avaliar e desenvolver as soft skills, e muito mais!

Lives importantes para todas as áreas!

Gostaste? Então não deixes de assistir aos próximos episódios e compartilhar com os amigos que também pensam em reconstruir a carreira em Portugal! Comenta aqui quais profissões tu gostarias de ver nesta série e saber mais!

10 sites que precisas conhecer antes de imigrar para Portugal

Hoje vim compartilhar 10 sites que precisas conhecer antes de imigrar para Portugal, porque serão muito úteis no planejamento e processo de mudança. Assiste também ao vídeo que publiquei no YouTube, para ver como funcionam estes sites!

Primeiro, começo pelos sites importantes para a tua entrada e permanência legal em Portugal:

1. VFS – Global: este site é muito útil para analisar os tipos de visto de residência existentes e saber como aplicar, quais são os documentos necessários e, também, acompanhar o teu processo de aplicação.

2. Site oficial do SEF: importante para saber os tipos de Autorização de Residência, documentos necessários, taxas e efetuar o agendamento.

Já em termos de aluguel ou investimento em imóveis, recomendo estes dois sites, que funcionam de forma muito simples e intuitiva, e conseguem filtrar localização, tipologia do imóvel, preço, e muito mais:

3. idealista.pt: neste site, adoro a funcionalidade de desenhar o mapa, e assim poder visualizar apenas moradias próximas à linha do metro, por exemplo.

4. imovirtual.com: funciona de uma maneira muito parecida ao idealista.pt, então vale a pena pesquisar casas, quartos e apartamentos para arrendar (alugar) ou comprar neste site também.

Queres saber quanto ganharias em Portugal, trabalhando na mesma área que trabalhas no Brasil? Então consulta os próximos sites desta lista!

5. meusalario.pt: este site é muito interessante para ter uma ideia de qual é o salário bruto médio mensal para a tua profissão, com os anos de experiência que tens.

6. Simulador de salário líquido 2021 – Doutor Finanças: depois de saber qual é o salário bruto médio mensal, que tal simular também qual seria o salário líquido? Este site te ajuda a calcular isso, considerando a região de Portugal onde pretendes viver (Continental, Madeira ou Açores), teu agregado familiar, e outros rendimentos. No vídeo, eu mostrei melhor como fazer esta simulação!

Agora que já tens uma noção sobre o salário bruto e líquido médio em Portugal na tua área, é hora de colocar mãos à obra e começar a procurar emprego! Dependendo da área, é possível conseguir emprego em Portugal mesmo ainda estando no Brasil, como nos contou o Leonardo, do @ti.portugal, na live sobre como a área de Tecnologias da Informação em Portugal.

7. Linkedin: esta é uma das principais plataformas de emprego usadas em Portugal, muito usada pelas empresas para anunciar vagas, buscar candidatos e confirmar referências;

8. neuvoo.pt

9. indeed.pt

Tu sabias que podes trocar a tua carteira de motorista brasileira pela carta de habilitação portuguesa? Pois é, inclusive, é preciso fazer esta troca antes de 90 dias após a emissão do teu título de residência, porque depois disso já não poderás mais dirigir com a CNH brasileira por aqui.

10. imtonline.pt: neste site, podes ver todos os passos para fazer essa troca!

Queres saber mais e ver como estes sites funcionam? Então não deixes de assistir ao vídeo que postei no YouTube!

15 Mitos e Verdades sobre Portugal

Em 24/01 foi ar um episódio do projeto #ReconstruindoNoMundo em que eu respondi 18 perguntas sobre Portugal, contando se são Mito ou Verdade! Fiquei chocada com a má impressão que vocês têm dos portugueses, então contei nesse vídeo qual é a minha opinião e também respondi várias questões interessantes para quem tem curiosidade, ou pensa em morar em Portugal. Neste artigo, vou contar resumidamente a minha opinião sobre esses tópicos, então, se quiserem o conteúdo completo, convido vocês a assistirem o vídeo no YouTube ou ouvir o Podcast!

Importante lembrar que esta é a minha opinião, baseada nas experiências que eu vivi nos últimos 4 anos, mas cada pessoa passa por experiências únicas e isso pode levar a opiniões diferentes das que exponho aqui.

Neste artigo, respondo se é mito ou verdade que:

É verdade que é fácil conseguir visto de trabalho em Portugal?

VERDADE! A legislação portuguesa é muito aberta a receber imigrantes que queiram trabalhar. Independentemente do cargo e salário, basta conseguir uma oferta de trabalho, que já podes dar entrada na solicitação de visto / autorização de residência (e atendendo também as outras regras para conseguir a aprovação, é claro!), então não há grandes entraves burocráticos! Vê mais informações no site oficial do SEF.

É verdade que é fácil se adaptar em Portugal?

VERDADE! Não só pelo idioma, mas me sinto em casa em Portugal por muitos motivos! A comunidade brasileira em Portugal é muito grande, então facilmente encontramos comidas, músicas, novelas, produtos brasileiros e muito mais! Além disso, acho o clima do Porto muito parecido ao do Rio Grande do Sul, então, para mim, até isso foi “fácil” de acostumar.

É verdade que os portugueses são mal-humorados, rudes e grosseiros?

Um pouco mito, porque não concordo com generalizações, cada pessoa é diferente e não gosto de “classificar” os portugueses como se fossem todos iguais.

Um pouco verdade, porque são SIM diferentes dos brasileiros e costumam ser muito mais diretos, literais e frontais, o que pode soar rude, mas a verdade é que estão sendo duramente sinceros e sem filtros.

É verdade que o salário mínimo é baixo pelo custo de vida e que Portugal não é um país para enriquecer?

VERDADE! Apesar de o custo de vida em Portugal ser relativamente baixo (dependendo da cidade), comparado a outros países europeus, e o poder de compra aqui ser muito mais elevado do que no Brasil, o salário mínimo também é muito baixo e é apertado para viver em cidades grandes e pagar aluguel. Por isso, infelizmente concordo que Portugal não é o país ideal para quem quer economizar e enriquecer, porque é muito provável que te sobrem menos euros no final do mês do que tu gostarias!

É verdade que brasileiro pode morar em Portugal sem visto?

MITO! É verdade que existem muitos brasileiros que vieram para Portugal como turistas e ficaram, depois conseguiram emprego e se legalizaram, mas isso não significa que PODE: isso é IMIGRAÇÃO ILEGAL e pode vir muita dor de cabeça daí! Recomendo sempre que se organizem, para imigrar para Portugal legalmente, com visto de estudos, trabalho, reagrupamento familiar, etc. Já falei sobre como viver legalmente em Portugal isso nesse artigo, dá uma olhadinha lá!

É verdade que existem muitas oportunidades para os brasileiros?

VERDADE! Não sabemos exatamente como ficará a situação econômica pós-pandemia, mas considero Portugal um país de oportunidades por diversos motivos, por exemplo: conseguir visto/AR de trabalho, sem grandes burocracias; poder acessar o ensino superior sem gastar uma fortuna; poder solicitar a naturalização e cidadania portuguesa após 5 anos vivendo legalmente no país; poder viver com qualidade de vida, segurança, boa educação e saúde.

É verdade que é muito frio no inverno?

VERDADE! Apesar de ter um clima muito mais ameno que outros países europeus, em Portugal o inverno também é rigoroso, com muito vento e neve em algumas regiões. Para piorar a situação, as casas portuguesas não são bem preparadas para o inverno. Uma pesquisa feita pelo EU-SILC em 2019 apontou que 18,9% dos entrevistados em Portugal respondeu que não tem capacidade financeira para manter a sua casa aquecida, enquanto a média nos outros países da União Europeia é de apenas 7% (EU-SILC)! Isto porque, em Portugal não é comum as casas terem aquecimento central, então dependemos de fontes externas de aquecimento (aquecedor, ar condicionado…) e haja dinheiro para pagar a conta no fim do mês (e isso também confirma a questão de que os salários são baixos para o custo de vida em Portugal). Leiam mais sobre isso neste artigo, do Jornal Público.

É verdade que as comidas são deliciosas?

VERDADE! Bacalhau com natas, francesinha, pastel de nata, alheira, pataniscas de bacalhau, broa, rabanadas, e por aí vai… sou apaixonada pela gastronomia portuguesa!

É verdade que os Portugueses assistem as novelas brasileiras?

VERDADE! Isso foi algo que me surpreendeu muito quando cheguei em Portugal! Eles realmente assistem muitas novelas brasileiras, ouvem muitas músicas nossas, assistem futebol e muitas notícias!

É verdade que é possível fazer amigos portugueses?

VERDADE! Seja no trabalho, universidade ou vida pessoal, é SIM possível conhecer e fazer amigos portugueses!

É verdade que apesar de ambos os países falarem português, existem algumas dificuldades na comunicação?

VERDADE! Além do sotaque ser forte, há muitas expressões e palavras diferentes, ou com significados diferentes, que podem causar alguma dificuldade na comunicação (por exemplo, rapariga ou puto). Mas com bom senso e calma, logo se acostuma e dá para se entender bem! Todas as segundas-feiras, tenho postado no Instagram a série “Dicionário PT PT = PT BR”, dá uma olhada nos destaques para ver algumas das diferenças!

É verdade que o poder de compra em Portugal é baixo?

VERDADE E MITO, depende qual é a tua base de comparação! Comparado a outros países europeus, sim, o poder de compra em Portugal é baixo, mas comparado ao Brasil, é alto. Neste vídeo, comparei o poder de compra em Portugal e no Brasil, considerando o salário mínimo em cada um dos países. As outras participantes do #ReconstruindoNoMundo também fizeram essa comparação, e analisando todos os países, dá para perceber o que o poder de compra em Portugal é muito inferior ao da Alemanha, Inglaterra e Estados Unidos, por exemplo!

É verdade que Portugal é um país muito seguro?

VERDADE! Em 4 anos em Portugal, nunca me senti em uma situação de perigo, nem conheço alguém que já tenha sido assaltado por aqui! A sensação de poder andar sozinha à noite e poder ficar tranquila e distraída mexendo no celular na rua, não tem preço! Então SIM, é verdade que me sinto muito mais segura aqui em Portugal, morando no Porto, do que me sentia em uma cidade pequena no Brasil.

É verdade que há preconceito com imigrantes?

MITO, porque não considero Portugal e os portugueses xenófobos e preconceituosos de uma maneira geral, porque se fossem, a legislação não seria tão aberta para receber imigrantes, as empresas não seriam tão receptivas em contratar imigrantes, e não haveriam tantos brasileiros e outros estrangeiros por aqui.

VERDADE que aqui também existem pessoas preconceituosas, como infelizmente há em qualquer lugar do mundo. O importante é não deixar que essas pessoas pobres de espírito te atrapalhem, ou te façam sentir mal por estar buscando uma vida melhor e oportunidades melhores para ti. A nossa nacionalidade é nosso orgulho, jamais uma vergonha ou motivo de ofensa!

É verdade que os cursos universitários são muito baratos em Portugal?

VERDADE! Claro que os valores variam de acordo com a universidade e curso escolhido, mas para que tenham uma ideia, é possível fazer um mestrado por menos de € 5 mil pelo total dos 2 anos de curso!

Estas foram as minhas respostas para 15 das perguntas que recebi de vocês pelo Instagram! Agora me conta a tua opinião! O que mais gostaste de saber? O que mais te surpreendeu sobre estes mitos e verdades sobre Portugal?

Vale a pena morar em Portugal? 10 motivos por que amo viver aqui!

Viver no exterior é uma escolha que renovamos todos os dias, porque obviamente nenhum lugar no mundo é perfeito, além de que a distância do Brasil e as saudades pesam muito, então precisamos sempre refletir sobre para qual lado esta balança pende mais. Desde o início de 2017, todos os dias escolho viver em Portugal pelos 10 motivos que descrevo neste artigo e também no vídeo que publiquei no YouTube!

1. Oportunidades

O principal motivo que me trouxe para Portugal e que me mantém aqui até hoje são as oportunidades que esse país oferece para quem quer reconstruir a vida no exterior, estudando e/ou trabalhando!

Por aqui há oportunidades de emprego em diversas áreas e a lei imigratória não apresenta grandes limitações em relação ao visto: independentemente da área de atuação ou do salário anual, é possível aplicar ao visto/autorização de residência para fins de trabalho. Assim, o fato de ser estrangeiro não é uma barreira para os empregadores: o que importa é o teu currículo, experiência e perfil.

Além disso, depois de 5 anos vivendo legalmente em Portugal, já podemos solicitar a Autorização de Residência Permanente e a Cidadania Portuguesa! Isto é um país de oportunidades ou não é?

2. Qualidade de vida

Segurança, liberdade, acesso ao sistema de saúde pública a baixos custos, educação de qualidade, possibilidades e oportunidades, são alguns dos pontos positivos encontrados em Portugal e que, para mim, são sinônimos de qualidade de vida e têm um valor imensurável!

3. Ensino Superior

Foi isso que me trouxe para Portugal e é o que mais recomendo: o ensino superior é de qualidade, os valores são acessíveis e o processo de candidatura é muito mais fácil do que se imagina! Isso sem falar que saímos desta experiência com o currículo enriquecido com um título internacional e uma prova de que não temos medo de desafios, duas características muito valorizadas em uma candidatura de emprego!

4. Facilidade de Adaptação

Costumo brincar que Portugal é o Brasil na Europa, e por muitos motivos: idioma, gastronomia, música, clima, etc! Uma coisa que me surpreendeu muito quando cheguei em Portugal, foi perceber o quanto eles absorvem da nossa cultura, músicas, novelas e notícias, enquanto lamentavelmente no Brasil não temos a mesma consideração.

Por aqui, até nas redes de supermercado normais encontramos tapioca, guaraná, açaí, bombons, cachaça, mamão, pão de queijo, e vários outros produtos tipicamente brasileiros, além dos mercados e restaurantes brasileiros nas cidades maiores, onde encontramos produtos mais específicos e aquele sabor de casa. Além disso, várias marcas brasileiras, como Havaianas, Ipanema, Boticário e Melissa estão presentes aqui também! Apesar de serem mais caros, felizmente temos acesso a muitos produtos e comidinhas para matar a saudade de vez em quando!

Apesar das diferenças em palavras, expressões e estrutura gramatical, sem dúvidas o idioma facilita muito a comunicação, para quem pretende sair do Brasil mas não sabe falar qualquer idioma estrangeiro.

5. Acordos entre Brasil e Portugal

Brasil e Portugal têm diversos acordos que facilitam muito a vida dos expatriados, por exemplo:

  • equivalência do INSS entre um país e outro, assim podemos decidir em qual país aposentar-se (ou 🇵🇹 reformar-se) no futuro;
  • redução dos valores (propinas) dos cursos universitários para estudantes de países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), assim não precisamos pagar os valores altíssimos aplicáveis a outros alunos internacionais;
  • estatuto de igualdade de direitos e deveres, que nos permite votar e concorrer a cargos públicos, por exemplo;
  • PB4, que nos dá acesso ao sistema nacional de saúde nos mesmos parâmetros que um cidadão português.
6. Diversidade de paisagens

Mesmo tão pequenino, Portugal tem uma diversidade enorme de lugares para conhecer: grutas, cascatas, praias, vilarejos, cidades, montanhas, vales… Dá uma olhada nestas fotos e me conta: é possível não ficar encantado?

7. Facilidade de viajar

Uma das coisas que mais amo de morar por aqui é a facilidade de viajar, especialmente pela Europa, a um baixo custo. As muitas companhias aéreas low cost, como Ryanair e Easy Jet, nos aproximam do mundo e dos sonhos! Quem não adoraria fazer viagens de ida e volta por menos de € 20?

8. Clima

Com as 4 estações bem definidas e inverno muito mais ameno que a maioria dos outros países europeus, Portugal é ideal para quem quer viver na Europa sem sofrer muito com a diferença de temperatura. Quando mais ao sul de Portugal, mais elevadas são as temperaturas médias anuais!

9. Gastronomia

Vinho, bacalhau com natas (e outras mil e uma formas), azeitonas, francesinha, alheira, queijos, pastel de nata, tem como não se apaixonar pela gastronomia portuguesa? 🤍🤤

10. Custo de vida e Poder de Compra

Portugal tem um custo de vida baixo, especialmente em comparação a outros países da União Europeia, o que ajuda muito na hora de preparar-se economicamente antes de imigrar (mas atenção que o salário mínimo é baixo também). Além disso, o poder de compra em Portugal é muito superior ao poder de compra no Brasil: assiste já o vídeo de comparação de quantas horas precisamos trabalhar em cada um destes países para comprar alguns itens, com base no salário mínimo. Já fiz também um vídeo falando sobre o custo de vida médio no Porto, para que tenhas alguma referência de valores (importante lembrar que o custo de vida varia muito de acordo com a cidade, prioridades e estilo de vida de cada pessoa). Se ainda não assistiu aos vídeos, não perde essa oportunidade!

Me conta aqui, tu também sonhas em viver em Portugal?

Imigrando para Portugal: 6 passos para começares o teu planejamento

Com muita frequência recebo perguntas como “Quero imigrar para Portugal, por onde começo?” e “Quanto custa imigrar?”. Por isso, dedicamos um episódio do projeto #ReconstruindoNoMundo para fazer um pequeno passo-a-passo, com questões e custos importantes que precisam ser considerados no processo de imigração (o vídeo está salvo no IGTV @amandasemfronteiras). E, como é um assunto super importante para quem pensa em reconstruir a vida em Portugal, deixo aqui um artigo completo com minhas dicas sobre o que não pode ser esquecido no teu planejamento!

  1. Define qual é o teu objetivo
  2. Começa a trilhar o caminho que escolheste
  3. Economiza e Prepara-te
  4. Trata da documentação necessária
  5. Reserva a passagem aérea
  6. Reserva uma acomodação temporária
1. Define qual é o teu objetivo

Ter clareza sobre qual é o teu objetivo é extremamente importante, para evitar frustrações, por escolher o destino errado e, também, para saber qual caminho seguirás adiante e quais são os teus próximos passos.

Estudar licenciatura, mestrado, doutoramento? Se for, eu recomendo Portugal fortemente, porque o ensino é de qualidade e os preços muito mais acessíveis do que outros países (foi o caminho que me trouxe para Portugal, e não me arrependo da minha decisão);

Trabalhar para juntar dinheiro e depois voltar ao Brasil com uma boa poupança? Sinto muito dizer, mas Portugal não é o destino perfeito para concretizar este objetivo. Apesar de o custo de vida ser baixo, os salários também são, então no final do mês é provável que restem menos euros na tua conta do que gostarias;

Qualidade de vida para ti/família? Sim, Portugal oferece segurança, boa educação, clima agradável, facilidade do idioma e oportunidades de emprego, independentemente da nacionalidade. Para reconstruir a vida, como eu tenho feito, Portugal está de braços abertos!

2. Começa a trilhar o caminho que escolheste

Se já sabes qual é o teu objetivo, é hora de procurar e aplicar para vagas de emprego (ver sites indicados no episódio sobre emprego) ou para o curso de licenciatura/mestrado/doutoramento que desejas (ver dicas sobre Ensino Superior em Portugal). Se as coisas não acontecerem tão rápido quanto tu gostarias, não desanima! Quando eu decidi imigrar a primeira vez, levei mais de um ano para pisar no meu país de destino. Assim como eu, durante este tempo, poderás preparar-te melhor, economizar mais dinheiro e ver Portugal pelos meus olhos. 🙂

3. Economiza e Prepara-te

Quando digo isso, é com autoridade! Entre a data que eu decidi imigrar e o momento que eu entrei no avião, eu não comprei nem uma bala desnecessária (cinema, férias, restaurantes e muitas outras atividades de lazer deixaram de existir durante aquele ano)! Por quê? Porque eu tinha um objetivo e não queria viver a frustração de ter que voltar para o Brasil depois de poucos meses, caso eu não conseguisse logo um emprego e o dinheiro acabasse.

Imigrar envolve um investimento financeiro e emocional muito grande. Por isso, sempre recomendo que faças tudo com calma e corretamente, e economizes o máximo de dinheiro possível antes de imigrar. Assim, estarás bem preparado para os altos gastos iniciais, para os imprevistos e para cobrir os meses em que possivelmente ainda não terás emprego e, assim, evitar complicações e frustrações.

Entre os gastos iniciais que precisam ser considerados estão:

– Ao fazer um contrato de aluguel, o proprietário (🇵🇹 senhorio) pode solicitar o pagamento antecipado de alguns meses de aluguel/caução (2-3 meses é o mais comum), então prepara-te para desembolsar esta quantia já no primeiro mês;

– € para a taxa de solicitação de autorização de residência em Portugal (valores variam de acordo com o tipo de residência, ver lista completa no site do SEF – neste link);

– Caso pretendas imigrar para estudos em Portugal, prepara-te para várias taxas, além das propinas mensais: taxa de inscrição, de matrícula, seguro escolar, documentação, de entrega da tese, certificado e diploma, que variam também de acordo com cada universidade;

– Importante lembrar também que, para conceder a AR, o SEF exige a comprovação de meios de subsistência: 1 salário mínimo mensal (€ 635/mês, em 2020). Caso não tenhas contrato de trabalho, precisas demonstrar que tens reserva de dinheiro no Brasil ou que alguém te enviará este montante mensal (podem exigir declaração do Imposto de Renda do último ano e extratos bancários, teus ou do patrocinador);

– Alguns serviços podem cobrar taxa de inscrição, além das mensalidades normais, como algumas academias (🇵🇹 ginásios);

– Podes dirigir em Portugal com a Carteira Nacional de Habilitação Brasileira por até 90 dias a contar da data de chegada em Portugal (período em que ainda podes ser turista). Após esta data, é obrigatório substituir a CNH brasileira pela Carta de Condução Portuguesa. Para isso, precisarás entregar a CNH, pagar uma taxa de € 30 (em 2020) e apresentar um atestado médico (consulta pelo Sistema Nacional de Saúde custa aproximadamente € 4,50, em 2020). Para mais informações atualizadas, acessa aqui o site do IMT.

– Luz, água, internet fixa, celular (🇵🇹 telemóvel) serão pagos conforme o contrato/uso.

4. Trata da documentação necessária

Depois de já teres decidido imigrar para Portugal e matricular-te em uma Universidade ou estares com contrato/proposta formal de emprego em mãos, é hora de aplicares para o visto em um consulado de Portugal no Brasil e providenciar outros documentos importantes.

– Passaporte brasileiro

O primeiro e mais importante documento que precisarás é o passaporte brasileiro, que precisa ter validade mínima de 6 meses a partir da data de chegada a Portugal. Caso ainda não tenhas ou esteja com data de expiração para breve, deve-se providenciar na Polícia Federal do Brasil. O custo é de R$ 257,25, em 2020. Para mais informações, acessa aqui o site oficial da Polícia Federal.

Obs: caso teu passaporte expire futuramente, quando já estiveres a viver em Portugal, é possível solicitar um novo em um dos consulados do Brasil em Portugal, mas o valor é de € 120, em 2020, para maiores de 18 anos. Mais informações no site oficial.

– Apostila de Haia dos documentos necessários

O que é?

O apostilamento de Haia é o que confirma a origem e a autenticidade dos documentos brasileiros, em Portugal e em todos os países que assinaram o acordo da Convenção de Haia. É importante comentar que a Apostila não confirma o conteúdo do documento. Um Certificado de Conclusão de Curso que seja apostilado, por exemplo, não é considerado validado para exercer a função no país, porque o apostilamento apenas confirma a origem e a autenticidade. De qualquer maneira, para inscrever-se na Ordem dos Profissionais da tua área (ex: Advogados, Médicos, Engenheiros,…), exigirão uma série de documentos apostilados. Mais informações disponíveis neste link.

Quanto custa?

O valor é tabelado, mas depende do estado brasileiro. Apostilar 1 documento em São Paulo custa R$ 107,10, no Rio Grande do Sul custa R$ 50,32 e, em Santa Catarina, R$ 39,80. Compara todos os valores nesta tabela!

Onde se faz?

Nos cartórios das capitais brasileiras e em alguns do interior (contatar diretamente o cartório, para confirmar se estão habilitados a proceder com a Apostila de Haia).

O que é preciso apostilar?

Cada caso pode exigir o apostilamento de documentos diferentes, mas cito aqui as duas situações mais comuns como exemplo. Sugiro que analises as informações disponibilizadas nos sites oficiais e, em caso de dúvidas, entra em contato com os departamentos necessários para confirmar o que precisarás (ex: Consulado, universidade, empresa contratante, Ordem dos profissionais da área X em Portugal, etc).

– Caso queiras continuar os estudos ou validar o diploma em Portugal: fazer reconhecimento de firma no certificado e no histórico escolar da Universidade brasileira e, depois, a Apostila de Haia;

– Caso queiras fazer reagrupamento familiar de algum membro da família (cônjuge, filhos e outros dependentes): apostilar documentos que comprovem o vínculo com o titular do visto, como certidão de Casamento e de nascimento.

– Seguro-saúde

Tornou-se obrigatório para a solicitação do visto e autorização de residência, a contratação de um seguro-saúde particular para o período total de estadia. Compara os melhores preços e as coberturas para ti, e ganha 5% de desconto imediato usando o cupom ASEMFRONTEIRAS5 em Seguros Promo e diretamente com este link da IATI Seguros!

Sugiro também que solicites o PB4, que é emitido gratuitamente e pode ser útil, caso precises usar o Sistema Nacional de Saúde em Portugal. Para saber mais sobre o sistema de saúde pública, lê este artigo que escrevi sobre esse tema.

– Solicitação do visto em um dos Consulados de Portugal no Brasil

Neste outro artigo, já comentei sobre a diferença entre o visto e a autorização de residência e, também, sobre todos os tipos de vistos aplicáveis.

No início de 2017, quando fiz o meu processo, enviei todos os documentos, inclusive o passaporte original, por Correio para o Consulado de Portugal em SP (diziam ser o mais rápido) e recebi o passaporte de volta, já com o visto, em 1 mês. No ano seguinte, já ouvi que o processo estava muito mais demorado, devido ao aumento da quantidade de brasileiros imigrando para Portugal, e a informação no site oficial é de que o processo pode levar até 90 dias. Portanto, organiza-te e inicia o processo com antecedência, para evitar transtornos como perda de voo ou taxa de remarcação de passagem, atraso para o início do período letivo ou laboral!

Para teres uma ideia do valor da taxa de aplicação para o visto de estudos ou de trabalho, acessa aqui o site do Consulado Portugal em São Paulo. Lembra-te que, se enviares os documentos por Correio, haverá também as taxas de envios registrados.

5. Reserva a passagem aérea

A passagem é uma das maiores despesas neste processo, por isso, fiz um artigo com 10 dicas para economizares na compra das tuas passagens aéreas (que sempre aplico para economizar nas minhas viagens). Clica aqui para dar uma olhada!

Costumo sempre pesquisar pelo Google Flights e Viajanet, que assim consigo pesquisar as datas mais baratas e ativar alertas de e-mails (e sempre em janela anônima).

Obs: Se saíres do Brasil com o visto de residência temporária em Portugal já impresso no passaporte, não é preciso apresentar passagem de volta. Se for turista, sim: a passagem deve estar marcada para até 90 dias da data de chegada no Espaço Schengen.

6. Reserva uma acomodação temporária

Outra questão muito importante é reservar acomodação por alguns dias em Portugal, enquanto procura por uma moradia fixa. Eu recomendo reservar para 1 semana, pelo menos, para conseguires visitar apartamentos e quartos logo que chegares aqui e, assim, evitar cair em golpes ou escolher um lugar que não goste. Para isso, recomendo os nossos velhos queridinhos das viagens: Airbnb (com direito à descontão na tua primeira reserva) ou no Booking.com.

Tudo pronto? Hora de fazer as malas e preparar uma pastinha com os documentos para apresentar à imigração na chegada em Portugal e não esquecer de nada importante (passaporte, visto, comprovante de alojamento, passagem, seguro-saúde, contrato de trabalho ou carta de matrícula, documentos apostilados…). Logo, logo vou falar aqui sobre os primeiros passos na chegada em Portugal!

Tu também sonhas em morar em Portugal ou ficaste com alguma dúvida? Então comenta aqui ou envia-me uma mensagem para saber mais!

Banner- afiliados