Mini-Europe: uma ótima ideia sobre o que fazer em Bruxelas

A Mini-Europe é uma interessante atração em Bruxelas (pertinho do icônico Atomium), com uma vasta exposição de miniaturas de construções e monumentos de diversas cidades europeias.

O parque Mini-Europe é um encanto! O ingresso custa em torno de € 15,50/pessoa, mas foi recompensado! Para conferir horários de acesso e preços atualizados, clique aqui e visite o site oficial.

Enquanto visita o parque, passeia-se por Paris, Bruxelas, Berlim, Sevilha, Londres, Atenas e muitas outras belas cidades! Prontos para esta mini-eurotrip?

  • Sevilha – Espanha: famosa pelas touradas, que aconteciam na Plaza de Toros, construída em 1760.
Mini-Europe Bruxelas
  • Escorial – Espanha: construído por Philippe II para comemorar a vitória sobre as tropas francesas, em 1557, e reunia as funções de monastério, basílica, convento, escola, biblioteca, entre outras. Lá ainda estão enterrados 26 reis e rainhas, além de armazenados 7.500 relíquias e 35.000 livros.
  • Santiago de Compostela – Espanha: a catedral foi construída no local onde foram encontrados os restos mortais do apóstolo Santiago, e é um dos lugares sagrados para os cristãos.
  • Algarve – Portugal: famosa e bela região ao sul de Portugal.
Mini-Europe Bruxelas
  • Lisboa – Portugal: Torre de Belem, construída no início do século 16 para proteger o porto.
  • Londres – Reino Unido: Westminster Palace possui mais de 3 km de corredores, em seus 286 metros de largura.
  • Longleat – Reino Unido: construída entre 1570 e 1580, impressiona pela simetria de sua arquitetura.
  • Cashel, Glendalogh and Ballydavid – Irlanda: pedra de St. Patrick, igreja de St. Kevin, Torre do sino, Gallarus Oratory
  • Bruxelas – Bélgica: Grand Place, praça onde situava-se o comércio local, e reúne belos prédios e o City Hall.
  • Bruges – Bélgica: o Belfry (campanário) e o comércio estão centralizados na Tanners’ square, a praça principal da cidade.
  • Celles – Bélgica: Veves Castle, da Idade Média.
  • Maastricht – Holanda: Town Hall, de meados do século 17, na cidade mais antiga e ao sul da Holanda.
  • Amsterdam – Holanda: com uma série de anéis de canais e mais de 1200 pontes, a cidade era um promissor centro comercial no século 17.
  • Alkmaar – Holanda:
  • Copenhagen – Dinamarca: Nyhavn, com suas casas coloridas, foi um importante porto comercial nos séculos XVII e XVIII. Atualmente reduziu-se a um ponto turístico.
  • Mnajdra – Malta: templo criado 3.400 anos a.C., considerado um dos mais antigos no mundo, porém não se sabe muito sobre a civilização que construiu-o pois “desapareceram” em torno de 2.500 a.C.
  • Chenonceaux – France: o castelo do século XVI foi construído sobre o Rio Cher.
  • Paris – França: Arco do Triunfo, no centro da praça Charles de Gaulle, finalizado em 1835 para glorificar o Império Napoleônico. Ao fundo, vê-se também a mini Torre Eiffel.
  • Pisa – Itália: a Piazza del Duomo é a principal atração de Pisa, onde situa-se a Campanile, a famosa torre inclinada desde a sua construção. Próximos à torre também estão a catedral, construída entre os séculos XI e XIII, e o batistério.
  • Veneza – Itália: o Palazzo Ducale, construído entre os séculos XIV e XV, serviu de residência do Duque, corte e governo até 1797.
  • Zagreb – Croácia: igreja de São Marcos, construída no século XIII.
  • Bonn – Alemanha: a  casa em rosa representa a casa onde Bethoven nasceu, em 1770.
  • Trier – Alemanha: Porta Nigra é um monumento do Império Romano, construído em 180d.C.
  • Praga – República Tcheca: o relógio no Old Town Hall, de 1410, indica o horário local, o Sumerian (dividido em 12 partes entre o nascer e o pôr do sol), o Italiano (de 0 a 23), a posição astronômica da Terra e dos planetas, e o calendário.
  • Budapeste – Hungria: as piscinas Széchenyi, no parque Városliget, foram construídas a partir de 1913.
  • Gdansk – Polônia: Artus Court era o centro comercial da região, no século XV.
  • Monasterio de Rila – Bulgária: construído no local onde era a casa de Jean de Rila, quem teve grande influência espiritual para esta nação.
  • Olavinlinna Castle – Finlândia: construído em 1475, era usado como fronteira de defesa contra a Rússia.
  • Estocolmo – Suécia: prefeitura de Estocolmo, inaugurada em 1923.
  • Atenas – Grécia: a acrópole, situada no ponto mais alto de Atenas, foi construída no século 5 a.C, em homenagem aos 12 deuses gregos. O Pártenon foi dedicado especialmente à deusa Atena.

Enfim… são muitas atrações! Não fotografei várias miniaturas,  então faltaram alguns países, como Estônia, Latvia, Lituânia, Eslováquia, Romênia, Eslovênia e Chipre.

** Este post contém links para sites afiliados. Ao comprar serviços oferecidos por estes sites, tu não pagarás nenhuma taxa a mais, muitas vezes ganharás descontinhos e ainda estarás ajudando o projeto Amanda Sem Fronteiras a trazer mais e mais dicas pra ti! Este site parceiro não manipula a minha opinião sobre a experiência que relatei neste post ou sobre o serviço oferecido. Recomendo apenas o que uso e confio, para ajudar no planejamento e organização da tua viagem! **

Banner- afiliados

Roteiro – Bruxelas, Bruges e Amsterdã

Depois de alguns meses em Dublin, minha primeira viagem pela Europa foi de 5 dias conhecendo 3 cidades na Bélgica e na Holanda.

Meu lugar preferido foi Amsterdã, por ser uma cidade bonita e cheia de atrações. Bruges também é adorável, mas em apenas algumas horas já tínhamos conhecido a cidade inteira, pois é bem pequena (mas também foi ótimo deitar num parque e lagartear por lá)! Bruxelas também foi legal de conhecer, mas no primeiro dia nos perdemos e caminhamos demais, o que foi um pouco estressante ao invés de divertido ou relaxante, e no outro dia eu estava gripada e acabamos não saindo à noite para tomar uma das famosas cervejas belgas.

Eu passei semanas pesquisando e planejando nosso roteiro, comprando ingressos para economizar tempo e dinheiro, salvando mapas que seriam úteis e alimentando a ansiedade! Assim chegamos ao seguinte roteiro:

DIA 1: Dublin → Bruxelas → Bruges

  • Voo: Partimos de Dublin às 7:45 (os exagerados chegaram no aeroporto com 2h de antecedência, o que descobrimos ser tempo demais e desnecessário, e o nosso voo ainda atrasou 45 minutos). Chegamos em Bruxelas às 10:15 (aproximadamente 1h e 30 voando + 1h de alteração de fuso horário). Pegamos um táxi do aeroporto para o centro, porque nosso primeiro passeio começava às 11h e nós não sabíamos como funcionava o transporte público, nem tínhamos tempo para descobrir (mas pagamos o rim pelo táxi, então não recomendo).
  • Passeio a pé gratuito – Bruxelas: Depois deste passeio, que foi super interessante, estávamos famintos, porque tomamos café da manhã às 4:30 e ainda não havíamos tido tempo de procurar alguma coisa pra comer. Depois de caminharmos um bocado e nos perdermos pelas ruelas de Bruxelas, acabamos encontrando o nosso bom e velho Mc Donald’s. De lá caminhamos 1h e 20 min até o próximo passeio (tudo para economizar ônibus, já que tínhamos pago um olho pelo táxi e não queríamos perder o outro olho também).
  • Mini-Europe: Depois de ter atravessado a cidade caminhando, a gente encontra uma estação de trem (Heysel Station) bem na frente do parque… Mas voltamos caminhando também, sem pressa, para conhecer um parque que havíamos passado no caminho.
  • Trem para Bruges: Da Mini-Europe fomos direto para a estação Brussel Noord, pegar o trem para Bruges, onde passamos nossa primeira noite. Demoramos um pouco para nos entendermos com os horários dos trens, mas um senhor de boa alma nos mostrou onde precisávamos olhar a informação correta. Na Bélgica há dois idiomas oficiais: francês e dutch, e nenhuma placa estava em inglês. Isso dificultou um pouco nossa vida, mas até que conseguimos nos virar bem, já que o francês, assim como o português, é originário do latim, enquanto o dutch é muito similar ao alemão, que tem alguma coisa parecida com o inglês.
  • Snuffel Hostel Brugge: ficamos hospedados em um hostel, em quarto privado. Gostamos bastante da experiência, especialmente considerando o preço. O banheiro era compartilhado, mas não foi um problema porque estava vazio nas vezes em que fomos e o chuveiro era em um banheiro individual, totalmente isolado. Também havia a opção de quarto com banheiro privado, mas achamos que não valia a pena a diferença de preço, e não nos arrependemos da nossa escolha. O café da manhã era simples, mas não era ruim.

DIA 2: Bruges

  • Dia em Bruges: Conforme detalhado no post sobre Bruges (link está acima), neste dia visitamos o Belfort Tower, Koningin Astrid Park, Minnewater Lake (Het Minnewater), Beguinage (Begijnhof) e perambulamos pela cidade. Estava incluso nos planos visitar o Burg, centro administrativo de Bruges, mas acabamos desistindo porque imaginamos que não seria interessante. Também queríamos ter visto a Basilica of the Holy Blood, mas não encontramos e acabamos visitando outra igreja que também era muito bonita (depois eu olhei o mapa e me dei conta de que era exatamente em frente ao Burg).
  • Trem para Bruxelas: ao fim da tarde pegamos o trem de volta para Bruxelas e nos dirigimos direto para o hotel, já que estávamos cansados e eu estava gripada.
  • Albert Hotel: o hotel era super simples, sem café da manhã, mas foi ótimo pela localização, já que ficava a 15 minutos caminhando da estação de trem Brussels-Noord, onde chegamos vindos de Bruges e onde pegamos o ônibus para Amsterdã no dia seguinte.

DIA 3: Bruxelas → Amsterdã

  • Ônibus para Amsterdã (Eurolines): partimos de Bruxelas às 11:45 e chegamos em Amsterdã às 15h. No caminho o ônibus parou em Rotterdam e Antwerp. Chegando em Amsterdã pegamos um trem e fomos direto para o passeio de barco, que ficava em frente à Heineken Experience.
  • Passeio de barco pelos canais – Amsterdãeste passeio foi muito bom, obrigatório para quem está visitando a cidade.
  • Heineken Experience – Amsterdãassim que saímos do passeio de barco já fomos para o Heineken Experience, onde pudemos fugir da fila já que tínhamos comprado os ingressos online. Adoramos esta experiência e super recomendamos também!
  • Museu do Sexo: depois de bebermos umas cervejinhas, fomos caminhando para o centro. Nossa próxima parada não foi tão interessante e divertida como esperávamos, porque na verdade o museu é bem pequeno.
  • Red Light District: depois caminhamos pela famosa rua da prostituição, localizada no bairro De Wallen.
  • AirB&B: mesmo pesquisando e comprando com antecedência, o preço de hostel ou bed&breakfast estavam absurdamente caros. Assim, acabamos optando por uma acomodação diferente: alugamos um quarto na casa de moradores locais. Foi uma experiência muito interessante e acabamos gastando bem menos do que se tivéssemos escolhido outra opção. Tudo é intermediado pelo site AirB&B, onde estão disponíveis fotos da acomodação, informações do proprietário e os comentários de quem já se hospedou lá.

DIA 4: Amsterdã

  • Passeio a pé gratuito – Amsterdãassim como em Bruxelas, em Amsterdã também fizemos um passeio a pé gratuito. O passeio terminou em frente à Anne Frank House, onde já entramos na fila para visitar.
  • Anne Frank House: com certeza o tempo de espera na fila foi recompensado. Saímos do museu profundamente tocados não só pela história da Anne, seus familiares e amigos, que dividiram o anexo durante 2 anos, mas também por refletirmos sobre a barbárie cometida contra tantos judeus. Há uma área, ao final da exposição, onde há citações de pessoas que visitaram o local. A frase da Emma Thompson foi a mais marcante para mim: “All her would-haves are our opportunities.” – “Todos os ‘terias’ dela são nossas oportunidades.”
  • Vondelpark: após um passeio triste resolvemos contemplar a natureza visitando o parque Vondelpark, que fica aberto 24 horas.
  • Iamsterdam: e é claro que não podíamos visitar Amsterdã sem irmos ao disputado letreiro, que fica na praça dos museus. Nós não quisemos visitar nenhum museu, mas contemplamos a arquitetura do Rijksmuseum.

Fazendo um balanço dos nossos gastos, no total gastamos € 678,46, com todas as despesas para os dois (não convertam pra reais!). Nós com certeza podíamos ter gasto menos em transporte, já que usamos muito táxi. Mas a verdade é que como tínhamos pouco tempo, queríamos aproveitar ao máximo, ao invés de ficarmos perdendo tempo tentando descobrir como funcionava o transporte público.

PAGO ANTES DA VIAGEM GASTOS NA VIAGEM
Passagens aéreas Ryanair                 59,96
Ônibus Bruxelas – Amsterdã                 21,00
Ônibus Amsterdã – Bruxelas                 21,00
Trem (ida e volta) Bruxelas / Bruges                 24,00
Heineken Experience + Passeio de barco                 52,00
Hostel Bruges (1 noite – quarto privado, banheiro compartilhado / com café da manhã)                   6,00                 48,24
Hotel Bruxelas (1 noite – quarto e banheiro privado / sem café da manhã)                   8,40                 51,60
AirB&B Amsterdã (2 noites – quarto e banheiro privado / sem café da manhã)               133,00
Mini Europe                 29,00
Belfort (Belfry) Tower                 12,00
Anne Frank House                 18,00
Sex Museum                   8,00
Alimentação + Globinhos                 93,06
Transporte (usamos táxi 4 vezes e ônibus 2 vezes)                 93,20
TOTAL: € 678,46  €          325,36  €          353,10

Vais viajar e já queres deixar tudo organizado antes? Começa a planejar a tua viagem por aqui, sem pagar qualquer taxa a mais, muitas vezes  ganhando descontos e ainda ajudando o projeto Amanda Sem Fronteiras, para trazer mais e mais dicas como estas!

Banner- afiliados